Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

OH POR FAVOR… Não, não leiam em jeito de pedido de atenção/ajuda, mas sim com a entoação de quem já não aguenta o que está a ver/ouvir.


29
Mar17

Queridos sapóides e pessoas obrigadas a visitar o pardieiro:

 

-  por motivos de pilha de nervos típica de véspera de viagem, hoje é só isto!

 

Dificilmente vou estar em dia com os vossos posts, mas pensarei em boceses lá nos Dublines!!

 

dub.jpg

(imagem net com créditos impossiveis de ler na imagem)

 

PS - Até 2ª!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Começou este fim-de-semana o campeonato do mundo de Motociclismo.

 

A 1ª prova é normalmente no Qatar e é única já que, por se situar em pleno deserto (na margem sul lá deles) se realiza à noite.

 

Este facto faz com que a espectacularidade da prova seja acentuada pelo inovador sistema de iluminação da pista.

 

O que por tradição não acontece no deserto é... chover.

Muito menos chover torrencialmente.

 

A quantidade de água foi de tal ordem que no sábado todas as sessões de treino e qualificação foram canceladas, tendo sido contabilizadas as médias de volta mais rápida nos treinos livres para decidir quem saia de que lugar.

 

Estava o circo montado.

 

Para enquadrar um pouco o comum dos mortais, que ao contrário da minha pessoa não acompanha esta novela, digo-vos que existem 3 categorias:

 

Moto3 - Motos com 250cc com criaturas adolescentes tresloucadas ao volante. É a prova mais renhida de todas e como tal a que mais emoções transmite. Imagine-se 31 loucos em pista, com a ausência de medo própria da idade, a querer mostrar o seu melhor. Chega a ser necessário um photo finish para saber exactamente quem ganhou.

 

Moto 2 – 34 pilotos em pista, não muito mais velhos que os miúdos da Moto3 e com 600cc entre as pernas! Não sendo a categoria mais renhida, é onde temos actualmente o Miguel Oliveira. Fedelho de Almada, com 22 aninhos e um futuro promissor.

 

MotoGP – A classe rainha, o ponto alto desta competição, onde só chegam os melhores. 22 bicharocos em pista + 1 porco estúpido ao volante de 1000cc! Aqui, ao contrário das categorias anteriores, impera o dinheiro.

Lamentavelmente as motos oficiais têm melhores patrocínios e consequentemente melhor material, mecânicos, etc. Nesta classe é visível quem tem mãozinhas em dias de chuva. Não há motor que valha se não souberem aguentar aqueles animais.

 

Voltando a este fim de semana, o nosso Miguel fez um fantástico 4º lugar. Tás lá puto!

 

Em GP o meu Valentino (Il Dottore) conseguiu um 3º lugar que ninguém esperava, tendo em conta que saiu da 10ª posição. É brilhante este (já considerado) velhote de 38 anos!!

 

Próxima paragem Termas de Río Hondo – ARGENTINA a 09/04

 

qatar.png

 (imagem nocturna aérea do circuito - retirada da net)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem diria que esta rubrica de qualidade dúbia e algo decadente chegaria ao 8º episódio?...

Desta vez o PA quis saber se o tamanho importa!...

 

Ora espreitem lá!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

24
Mar17

É oficial, está aberta a época mais esperada pela minha pessoa. O Campeonato de MotoGP.

 

Para quem, mais distraido, possa não saber o que é, digamos que:

A Fórmula 1 está para os carros como o MotoGP está para as 2 rodas! A diferença é que na F1 já não temos o Senna  e No MotoGP ainda temos o Vale!! (coisa mai perfeitinha de sua dona).

 

É com muito orgulho ainda que temos na categoria intermédia o Almadense Miguel Oliveira. Puto cheio de talento que tem dado cartas mas que lamentávelmente não joga futebol, e por isso não é conhecido do grande público. Sem stress, em Espanha é bem conhecido.

 

Mas isto tudo para vos contar que sou mega fã desta prova e agora, tenham a santa paciência, vão levar comigo nos dias seguintes às corridas para vos fazer um resumo.

 

Não precisam de ler. Eu é que TENHO mesmo de escrever.

 

Só tenho pena que não possam assistir ao regabofe que acontece lá em casa em dia de corrida.

 

Eu e a mãe Maria, quais fanáticas de futebol, rimos, choramos, saltamos, fechamos os olhos, não queremos ver, mas não queremos deixar de ver.

 Eu (ela não) digo asneiras consecutivas e é a loucura!! Só não há cuspidelas para o chão!

 

vr461.jpg

(imagem tirada da net, a imagem que tenho no desktop do trabalho - VR na Yamaha M1 com o capacete usado nos treinos de inverno)

 

PS - Este fim de semana a prova é no Qatar,

Domingo às 17h20 - MOTO2 (onde corre o nosso 44 Miguel Oliveira)

Às 19h - MotoGP!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sou Mulher, e como tal sou gaja em muitas coisas!

Está-nos no sangue e contra factos não há argumentos.

 

Adoro maquilhagem. Não a uso diariamente porque sou extremamente preguiçosa e prefiro passar 20 minutos da minha manhã a tomar um bom pequeno almoço, do que a passar betume no focinho!

 

Ah, mas podias acordar mais cedo... Claro!

 

Acabo por me maquilhar umas 3 vezes... por ano. E ao saberem o drama que é, facilmente entenderão!

 

Eu sou uma toupeira. Sem óculos eu não vejo e para me pintar tenho de os tirar obviamente.

E aqui começa a aventura...

 

Passo corretivo e base, espalho bem - ponho os óculos e vejo o resultado. Corrijo, se necessário

 

Consigo passar pó e blush (quando uso) com as lunetas postas.

 

Chega ao momento de pintar os olhos e aqui é um verdadeiro tiro no escuro. Ou pelo menos num sitio com muito nevoeiro.

 

Tiro os óculos, fecho o olho a pintar (ah, também não sei piscar os ditos) passo a 1ª sombra - ponho os óculos e vejo o resultado. Corrijo, se necessário

 

Passo o 2º tom - ponho os óculos e vejo o resultado. Corrijo, se necessário.

 

Mudo de olho passo a 1ª sombra - ponho os óculos e vejo o resultado. Corrijo, se necessário

 

Passo o 2º tom - ponho os óculos e vejo o resultado. Corrijo, se necessário. E aqui meus amigos, é claro que é necessário.

 

Obviamente os 2 olhinhos não estão iguais...

 

Passo uma toalhita e repito:

Passo a 1ª sombra - ponho os óculos e vejo o resultado. Corrijo, se necessário

 

Passo o 2º tom - ponho os óculos e vejo o resultado. Corrijo, se necessário.

 

Por vezes corre bem lá para a 4ª tentativa.

 

Chegando a este patamar lá vem o rímel. O caso aqui piora porque invariavelmente acerto com a escovinha na pálpebra. Toca a limpar tudo e recomeçar.

 

fecha olho, pinta, põe óculo, tira óculo, insiste , insiste, inspira, expira!!! Ufa... consigo!

 

Ponho os óculos, e rezo para que não pareça que levei 2 socos nas vistinhas!

 

Ah pois, é que as minhas lentes aumentam drasticamente. Uma sombrinha mais escura e parece mesmo que apanhei na tromba!

 

Mas bom, depois é só passar um batom e estou pronta!

 

mu.jpg

 (imagem net)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

No seguimento do que já vos fui contando (aqui, aqui e acolá) aproveito para vos contar mais uma das (muitas) aventuras com o meu 205.

 

O meu carro para além de ser velho tinha o verniz todo estalado.

Aquilo que em tempos foi um carro vermelho brilhante, era agora um pequeno pedaço de cancro de tinta.

 

Não tendo mau aspeto suficiente, acordo uma bela manhã e quando chego ao veiculo vejo que um imbecil atrasado mental lhe tinha batido durante a noite e fugido.

(espero sinceramente que este senhor se tenha enchido de vermes)

 

Deixou a porta de trás completamente metida para dentro, ao ponto da minha mão passar por entre a porta...

Depois de 170 litros de lágrimas de raiva e impropérios, não sendo possível o arranjo, desloquei-me ao Giljó - sucateiro reconhecido internacionalmente na margem sul - do qual me tornei cliente assídua.

 

Comprei uma porta só que... verde… E não a mandei pintar porque não valia a pena o dinheiro.

“Vende-se pintura, oferece-se carro” era um pouco demais.

 

Passei a andar com A Bandeira pelos caminhos de Portugal. Não dava nada nas vistas!

 

Belo dia, a passar a 25 de Abril, acende-se a luz do motor.

 

Aquela que diz “PÁRA IMEDIATAMENTE O CARRO OH LOIRA”!

Recuso-me terminantemente a parar na ponte!

E lá segui até Sete-Rios.

 

Saio do eixo norte-sul que, para quem não conhece, termina num semáforo” e ali fiquei, no sinal vermelho, com o carro em coma!

 

Saio do carro, ligo para a assistência em viagem ao mesmo tempo que visto o colete e tiro o triângulo (apreciem a imagem: loira, carro podre a deitar fumo…) e fui coloca-lo à devida distancia do enfermo.

 

Atendem-me da seguradora e começa o rol de questões para as quais eu gostaria muito… mas não tinha resposta.

 

Eles: ” Qual é a avaria?”

Eu: “Acendeu a luz do motor e deixou de andar”

Eles: “Mas qual foi o motivo?”

Eu: “Não faço ideia. Parou e deita fumo"

Eles: “Mas sabe se foi isto ou aquilo…"

Eu: ”Sei que não tem registo da minha profissão mas adianto desde já que não sou mecânica”

Eles: … a pergunta foi interrompida por uma buzinadela

 

Olho pelo retrovisor e tenho uma besta a buzinar e a fazer sinal que estava verde…

Sim, o senhor ignorou o facto do carro deitar fumo, de ter contornado o meu triângulo de sinalização e buzinou… como se eu estivesse distraída…

Lá lhe fiz sinal a perguntar se era maluco e continuei!

 

Já no fim da chamada com a seguradora, mais uma buzinadela…

 

É novamente um arraçado de energúmeno (outro) que tinha feito o mesmo. Viu o triângulo (não lhe passou por cima) colocou-se atrás de mim e quando abriu o verde… PPPPPPPPPPPPPIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII…

 

Finalmente chega o Sr. do Reboque que me pergunta o que o carro tinha, respondi que não sabia ao que ele questiona:

“E não abriu o capot?”

 

Claro… tinha feito toda a diferença…

Autoria e outros dados (tags, etc)

Porque hoje é dia mundial da poesia... 2 poemas que adoro.

Lamechas até à 5ª casa... mas que adoro, quero lá saber!

 

Sim, não é só parvoice nesta moleirinha. 2% do meu tempo é dado a coisas sérias ;)

 

Pablo Neruda:

 

Quando eu morrer quero tuas mãos em meus olhos;
quero a luz e o trigo de tuas mãos amadas
passar uma vez mais sobre mim seu viço:
sentir a suavidade que mudou meu destino.

Quero que vivas enquanto eu, adormecido, te espero,
quero que teus ouvidos sigam ouvindo o vento,
que cheires o amor do mar que amamos juntos
e que sigas pisando a areia que pisamos.

Quero que o que amo continue vivo
e a ti amei e cantei sobre todas as coisas
por isso segue tu florescendo, florida.

Para que alcances tudo o que meu amor te ordena,
para que passeie minha sombra por teu pêlo,
para que assim conheçam a razão do meu canto.

 

(a minha) Florbela Espanca:

 

Ódio por Ele? Não... Se o amei tanto,
Se tanto bem lhe quis no meu passado,
Se o encontrei depois de o ter sonhado,
Se à vida assim roubei todo o encanto,

Que importa se mentiu? E se hoje o pranto
Turva o meu triste olhar, marmorizado,
Olhar de monja, trágico, gelado
Com um soturno e enorme Campo Santo!

Nunca mais o amar já é bastante!
Quero senti-lo doutra, bem distante,
Como se fora meu, calma e serena!

Ódio seria em mim saudade infinda,
Mágoa de o ter perdido, amor ainda!
Ódio por Ele? Não... não vale a pena...

Autoria e outros dados (tags, etc)

21
Mar17

Ufa que alivio...

por Maria

Acabou o In(f)verno!

 

Venham as alergias, quero lá saber!! Eu dou conta delas...

 

spring.jpg

(imagem net)

 

PS - a contagem decrescente para o Verão começou!!!  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pois é pessoas bonitas, apesar do enxerto de porrada que me deu na semana passada (ai, que saudades) o PA decidiu redimir-se.

 

Mesmo atrás das grades o meu caro co-qualquer-coisa quis ajudar aqui a Maria a encontrar a sua cara metade!...

 

Acham que é desta que vou desencalhar? Ora espreitáide no:

a minha namorada apanhou o bouquet.

 

PS - E esta semana é a 3 novamente ;)

Autoria e outros dados (tags, etc)

17
Mar17

Mãe Maria a ver um programa sobre animais:

 

" Ah! Que ave será esta?"

 

Eu, pragmatismo em pessoa:

 

"É um pássaro"

 

Resultado de imagem para comic bird gif

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D