Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OH POR FAVOR… Não, não leiam em jeito de pedido de atenção/ajuda, mas sim com a entoação de quem já não aguenta o que está a ver/ouvir.


19
Jun17

Não percebo...

por Maria

doi.jpg

(créditos na imagem)

 

Estou - estamos todos - em choque com a matemática deste fim de semana do demo.

 

Estava há vários meses preparada para escrever sobre a época de incêndios, versão "eu sou parva e tomem lá com mais uma parvoice".

Hoje não me apetece parvejar...

 

Tenho alguma dificuldade em lidar com o luto, sei o que dói perder alguém nosso.

mesmo assim percebi que a vida segue e o tempo atenua a dor. Custa a perceber, mas é um facto.

 

Agora... como se chora várias pessoas de uma familia?

Ou a morte de uma criança? Alguém me explica que justiça divina é esta?

E como é que um pequeno lugar que perde 1/3 da sua população segue em frente?

 

Como é que vai ser depois, quando o lume estiver extinto, a comunicação social tiver voltado á cidade?

Como é que vai haver força para reconstruir vidas inteiras?

 

Eu não percebo.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


46 comentários

Imagem de perfil

De Chic'Ana a 19.06.2017 às 09:11

Não percebes tu nem a maior parte das pessoas.. Uma tragédia de dimensão considerável =(
Beijinhos
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 09:13

Doloroso :(
beijoca minha linda
Imagem de perfil

De green.eyes a 19.06.2017 às 09:25

Este é o tipo de coisas que nunca vamos entender, nem aprender a lidar ... temos apenas que viver e esperar que o tempo faça o resto.

Eu estou como tu ... Também não entendo!!!!!!!!!!!!!!
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 09:49


Beijoca boa :(
Sem imagem de perfil

De Kris a 19.06.2017 às 09:46

Há coisas que nunca vamos perceber... principalmente quando envolve crianças inocentes...
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 09:49

E tão triste :(
Imagem de perfil

De Moralez a 19.06.2017 às 10:17

Francamente também não entendo! :(
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 18:18

É assustador :(
Imagem de perfil

De Blog da Osa a 19.06.2017 às 11:22

Infelizmente não percebo também
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 18:19

Ninguém pode estar preparado para recuperar de algo assim :(
Imagem de perfil

De Psicogata a 19.06.2017 às 12:02

O ser humano tem uma capacidade de luta e sobrevivência enormes, não será fácil mas juntos conseguirão erguer a aldeia, mas a dor essa mudou-os para sempre :(
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 18:20

É precisamente essa mudança que tanto medo me traz :(
Imagem de perfil

De Sónia Pereira a 19.06.2017 às 12:05

São situações extremas, mas que, devido ao tipo de floresta que temos, o mais certo é se tornarem recorrentes.
Mas levará anos até que estas localidades com perdas humanas tão grandes consigam superar tal tragédia. É que perdem-se as vidas e fica o negrume do queimado a relembrar por meses a tragédia de um dia quente.
Vivo numa zona rural e passadas três décadas ainda recordo vivamente o dia em que 16 bombeiros morreram numa localidade próxima, a combaterem um fogo de grandes proporções.
É tudo tão triste que não acho as melhores palavras para falar deste assunto...
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 18:20

Acho que nunca alguém terá palavras suficientes :(
Imagem de perfil

De João Ratão a 19.06.2017 às 12:21

A vida vai continuar, apesar de tudo. Certo que continuará a pedir créditos à morte, pois é tão frágil e de reacções tão imponderáveis! Viu-se no desespero e no desnorte das tentativas de fuga. Se há culpas, não me cabe lançar pedras; são culpas que continuam a morrer solteiras, por um lado. Por outro, não podemos culpabilizar somente o sistema, ou os pirómanos. É difícil, senão impossível, lutar contra os elementos. Tenhamos o sistema mais sofisticado de prevenção e combate contra estas calamidades sazonais. Há países muito ricos e cheios de meios que se vêem à rasca para as combater...
Pode ser que os poderes que têm governado Portugal acordem, agora, para outro grande problema, que reside no interior desde há muito, que é o do isolamento populacional e a consequente centralização decisória que teima em persistir. Com todas as inconveniências e perigos. Escrevo por experiência no terreno. Todavia, sem pretender ser cínico, não acredito que, futuramente, hajam mudanças. Já sou "velho" para acreditar em milagres. Com muita pena e desalento...
Boa semana, Maria, Beijinho.
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 18:22

E é triste que já não acreditemos... :(
Boa semana João, beijoca
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 19.06.2017 às 12:45

Será uma tragédia que não será esquecida, no entanto, a vida retomará o seu habitual curso… é assim que tudo funciona…

Lamentavelmente… Lamentavelmente, não sei se estas vítimas um dia terão justiça por parte de todos nós.
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 18:23

Não acredito que haja como lhes fazer justiça :(
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 19.06.2017 às 18:30

Não há, nada as trará de volta. Mas existe uma questão: somos cidadãos e a memória destas não deverá ser desprezada pela inacção.
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 19:31

Eu sei Robinson, eu sei. Não acredito é que mudemos o suficiente para evitar mais uma tragédia :(
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 19.06.2017 às 19:36

É preparar então para mais algumas… E o Verão ainda nem chegou...
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 19:39

Isso mesmo, e o Verão ainda nem começou
Imagem de perfil

De Ladys a 19.06.2017 às 13:00

Isto tudo parece um pesadelo, não parece real, e dizes bem, quando as pessoas tentarem voltar à "normalidade" é que vão ser elas . Marina
Imagem de perfil

De Maria a 19.06.2017 às 18:25

É um pesadelo, sim.tenho tanta pena :(

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D